Oferecer acompanhamento farmacêutico domiciliar é uma grande oportunidade para que sua farmácia esteja à frente da concorrência. São muitos os pacientes que têm dúvidas sobre a utilização de alguns medicamentos e você pode aproveitar e oferecer um trabalho mais personalizado.

Esse é um nicho promissor, tanto que até as operadoras de planos de saúde estão optando por contratar profissionais farmacêuticos para atuarem na área. E a sua farmácia de manipulação pode contribuir em diminuir as internações hospitalares, que é considerado de maior custo para as operadoras.

Aproveite que a atuação do farmacêutico no atendimento domiciliar é regulamentada através do Conselho Federal de Farmácia, Resolução n° 386/02. Saiba mais!

Por que o acompanhamento farmacêutico domiciliar é tendência?

O acompanhamento farmacêutico domiciliar é tendência por trazer muitos benefícios. Esses são aproveitados tanto para as farmácias, quanto para o sistema de saúde e a população em geral.

Ao utilizar racionalmente os medicamentos, as doenças crônicas, especialmente, são controladas. Com isso, há uma queda significativa de complicações clínicas, resultando em menor número de internações hospitalares.

Ou seja, os farmacêuticos podem contribuir para melhor qualidade de vida dos pacientes e com todo um sistema de saúde (particular ou público).

Quais são as atividades administradas pelo acompanhamento farmacêutico domiciliar?

O farmacêutico é o profissional que vai avaliar todos os medicamentos que o paciente possui em sua residência. Nessa lista estarão os de uso contínuo e outros que são utilizados para enfermidades de menor grau.

Esse profissional irá realizar uma análise sobre o armazenamento desses produtos, especialmente em casa com crianças. Ele também vai fazer as intervenções pertinentes à rotina do indivíduo, orientando-o da forma mais eficaz.

Quais as principais responsabilidades de um farmacêutico domiciliar?

Durante o acompanhamento farmacêutico domiciliar, o profissional deve:

1. Ser competente

É importante que o farmacêutico tenha total conhecimento farmacológico e farmacotécnico sobre os medicamentos. Além disso, é preciso que ele desempenhe habilidades como: Gestão Farmacêutica, Atenção e Assistência Domiciliar, Farmácia Clínica e Farmacovigilância.

2. Saber aplicar seus conhecimentos

É essencial que o profissional consiga aliar a teoria à prática, de forma a oferecer um plano de cuidados específicos. Ou seja, cada paciente possui determinada necessidade, conforme sua patologia crônica ou degenerativa. Cabe ao farmacêutico promover o uso racional dos medicamentos, otimizando a farmacoterapia. Assim, poderá alcançar resultados que visam a melhora na qualidade de vida de seu paciente.

3. Fazer uma análise da segurança e efetividade do tratamento

Através do acompanhamento farmacêutico domiciliar, o profissional irá analisar a efetividade do tratamento de cada paciente que já visita. Por meio do registro diário da glicemia ou pressão arterial, por exemplo, ele poderá detectar sinais não percebidos de imediato. Com isso, poderá ajustar a dose do medicamento, caso haja alteração não condizente com o perfil clínico do seu paciente.

Como é realizado o acompanhamento farmacêutico domiciliar junto aos idosos?

Pessoas idosas costumam apresentar maior dificuldade de locomoção, sendo o acompanhamento farmacêutico domiciliar fundamental. Além disso, sendo usuários polifarmácia, apresentam dificuldades para entender as orientações medicamentosas passadas de forma rápida nas farmácias.

Isso implica na dificuldade de seguir o tratamento, aumentando assim, as chances de erros na administração ou interação medicamentosa. O farmacêutico tem a responsabilidade de identificar, prevenir e resolver quaisquer problemas relacionados aos medicamentos.

É importante frisar que a farmacologia aos idosos requer muito cuidado e a atenção farmacêutica visa resolver qualquer problema relacionado.

A farmácia magistral é a melhor preparada para acompanhá-los. Isso porque, diferente das drogarias, podem estabelecer atendimento personalizado e que adapta melhor ao que o paciente precisa.

Atualmente, conforme a Lei 13.021/2014 que dispõe sobre o exercício e fiscalização das atividades farmacêuticas, a farmácia é um estabelecimento de saúde. Os farmacêuticos podem prestar assistência tanto farmacêutica, como de assistência à saúde e orientação sanitária. E isso é válido sobre a manipulação e dispensação de medicamentos magistrais, farmacopeicos, oficinais ou industrializados.

Aproveite e tenha esse diferencial na sua farmácia de manipulação, como um planejamento estratégico.

Então, está preparado para estar à frente da concorrência? Comente!

Referências: Blog do Farmacêutico, CRFRS, Diário Farma e Portal Educação.