Com a forte concorrência no setor magistral, é fundamental adotar ações de marketing da farmácia para destacar seu negócio. Porém, o setor de saúde possui algumas normativas que regulam esse processo.

Então, conforme a regulação da Anvisa, por meio da RDC 96/08, é preciso seguir as orientações sobre medicamentos específicas para as farmácias magistrais. Porquanto, entre as normas para publicidade no setor, destacaremos o que pode e não pode no marketing.

Quer garantir que sua farmácia de manipulação utiliza-se do marketing dentro do que está previsto em lei? Continue a leitura!

O que é permitido e proibido pela Anvisa para o marketing da farmácia?

Como são muitas as normas referentes ao marketing da farmácia de manipulação, selecionamos aqui as principais. Então, veja o que é permitido e proibido na publicidade magistral!

É proibido no marketing magistral, conforme normas da Anvisa:

  • É proibido conter informações sobre alimentos com propriedades de cura e tratamento. Isso inclui os que são comercializados de forma típica farmacêutica, como xaropes, comprimidos, cápsulas e outros;
  • A publicidade não pode incentivar o uso indiscriminado de medicamentos.

O que é obrigatório conter no marketing para farmácia, isto é, de acordo com as normas da Anvisa:

  • Nome comercial e da substância ativa;
  • Advertência adicional, conforme efeito descrito em bula ou substância ativa;
  • Indicação do farmacêutico responsável nos rótulos;
  • Número de registro na Anvisa;
  • Anúncio com cores que contrastam com o fundo e informações legíveis;

Marketing da farmácia magistral:  O que pode e que não pode

Respeitando o que é permitido e proibido pela Anvisa, veja também o que pode e o que não pode no marketing da farmácia. Assim, você poderá investir em uma publicidade altamente rentável e sem problemas futuros.

O que pode

1. Promoções com descontos

Ao oferecer uma promoção, não basta apenas mostrar o desconto. Isto é, também é preciso informar o preço integral que a sua farmácia pratica.

2. Vendas pela internet

A internet permite praticidade na comercialização de diferentes produtos. Para não perder vendas, as farmácias de manipulação precisam se atentar a esse mercado, que está em constante expansão. Vender online é ter uma ampla gama de oportunidades. Mas, é preciso estudar os meios para divulgar seus produtos. Além disso, contar com as redes sociais, como o WhatsApp, para receber orçamentos é um diferencial importante.

3. Divulgar informações referentes aos produtos

As farmácias de manipulação têm o direito de fornecer, aos prescritores, material com apenas os nomes das substâncias ativas, de acordo com o DCB. Na falta, é preciso utilizar o DCI, ou nomenclatura botânica. Além disso, ao divulgar informações, é preciso fornecer as indicações terapêuticas, de referência científica.

O que não pode

1. Oferecer brindes

Oferecer brindes e vantagens aos profissionais prescritores é uma prática proibida.

2. Usar imperativos na publicidade

É proibido usar imperativos, como: “experimente”, “tome”, “tenha ou use”.

3. Falar sobre benefícios que não são do conhecimento da Anvisa

É permitido alegar apenas propriedades funcionais e/ou de saúde, desde que as mesmas sejam aprovadas pela Anvisa. Além disso, vale enfatizar que são proibidas alegações de propriedades terapêuticas ou indicações de cura.

Portanto, essas são algumas das normas da Anvisa para o marketing da farmácia. Esteja atento a essas informações para evitar imprevistos!

Então, você gostou do texto? Assine a news para não perder nenhuma informação útil ao seu negócio!

Referência: Anvisa.