Uso do probiótico na dieta é eficaz?


“Adicionar um probiótico à dieta de uma criança altera a composição da microbiota”, disse Lilijana Besednjak-Kocijančič, MD, do Centro de Saúde Pediátrico Primário em Nova Gorica, Eslovênia. “As mudanças são muito importantes para o amadurecimento do sistema imunológico de uma criança”, disse ela durante sua apresentação no Congresso Digital 2020 da Academia Europeia de Alergia e Imunologia Clínica (EAACI).

Besednjak-Kocijančič e seus colegas avaliaram 316 recém-nascidos de peso saudável que tiveram pais com alergia confirmada pelo teste. Todas as crianças foram amamentadas por 4 a 6 meses. “Eles tinham a mesma dieta e as mães foram orientadas a evitar probióticos”, disse Besednjak-Kocijančič.

As 115 crianças do grupo probiótico receberam cinco gotas de L reuteri diariamente das 4 semanas às 12 semanas. “As gotas foram colocadas no mamilo da mãe, diretamente na boca da criança”, explicou ela. As 201 crianças do grupo controle foram amamentadas sem suplementos. Todas as crianças foram acompanhadas pelo mesmo pediatra até os 9 anos de idade.

Durante o período de acompanhamento, 19,6% das crianças desenvolveram rinite alérgica ou rinoconjuntivite alérgica – confirmada com IgE elevada e testes positivos de picada na pele – em algum momento. As crianças do grupo probiótico tiveram três vezes menos chances de desenvolver rinite alérgica do que as do grupo controle (4,3% vs 13,9%; P  ≤ 0,01). Para rinoconjuntivite alérgica, a diferença foi menos acentuada (8,7% vs 9,5%; P  > 0,05). “Havia uma tendência a rinoconjuntivite alérgica mais baixa, mas não uma diferença significativa”, disse Besednjak-Kocijančič.

Sabemos que a resposta imune no intestino pode modular as respostas imunes em órgãos distantes, incluindo o nariz, disse ela. De fato, a frequência de rinite alérgica e a duração média dos episódios foram “significativamente menores” no grupo probiótico do que no grupo controle ( P  <0,01 para ambos).

Probióticos para adultos

O benefício de outro probiótico, NVP-1703 – uma mistura de Bifidobacterium longum  IM55 e Lactobacillus plantarum  IM76 – em adultos com rinite alérgica, foi demonstrado em estudo separado apresentado na EAACI por Min-Gyu Kang, MD, do Hospital Universitário Nacional de Chungbuk em Cheongju, Coreia do Sul.

Kang e seus colegas avaliaram 84 adultos que haviam recebido um diagnóstico de rinite alérgica perene pelo menos 2 anos antes. Eles designaram aleatoriamente 41 adultos para NVP-1703 na dose de 1 x 10 10 UFC mais maltodextrina 2 g / dia. Os outros 43 adultos, que serviram como grupo controle, tomaram apenas maltodextrina 2 g / dia.

Nas semanas 1, 3 e 4, as alterações na IgE, interleucina (IL) -10, pontuação no Teste de Avaliação do Controle da Rinite (RCAT) e Escore Total de Sintomas Nasais (TNSS) foram avaliadas em todos os participantes. IgE específica para os ácaros foi significativamente menor no grupo probiótico do que no grupo controle ( P  = 0,033). E a redução na IL-10 da linha de base foi significativamente maior no grupo probiótico do que no grupo controle ( p  = 0,047). O aumento no escore RCAT da linha de base para a semana 4 foi maior no grupo probiótico do que no grupo controle (3,83 vs 2,21; P  = 0,049). Além disso, as alterações no TNSS em relação à linha de base foram significativamente maiores no grupo probiótico do que no grupo controle.

O NVP-1703 pode ser uma nova opção de tratamento para rinite alérgica, disse Kang. “Precisamos de mais estudos analisando os benefícios dos probióticos”, disse Erika von Mutius, MD, da Universidade de Munique.

Referências consultadas:

Disponível em Medscape. Traduzido e adaptado por Magistral Guide

Assine e receba nossas novidades!